International PHP Conference 2015

CGI e instalações de linha de comando

O padrão é compilar o PHP como um programa CGI. Isso cria um interpretador de linha de comando, que pode ser usado para processamento de CGI, ou para criação de scripts não relacionados com a web. Se você estiver executando um servidor web que suporta o PHP como módulo, você deve geralmente usar essa opção por razões de performance. No entanto, a versão CGI permite que usuários executem diferentes páginas com PHP usando diferentes ids de usuário.

Aviso

Um servidor dispoto em modo CGI está aberto para várias vulnerabilidades possíveis. Por favor, leia nossa seção de segurança CGI para aprender em como se defender de tais ataques.

A partir do PHP 4.3.0, alguns acréscimos importentes aconteceram ao PHP. Um novo SAPI chamado CLI também existe e ele tem o mesmo nome que o binário CGI. O que é instalado no diretório {PREFIX}/bin/php depende das opções usadas com o comando configure e é descrito com mais detalhes na seção do manual chamada Usando o PHP da linha de comando. Para mais detalhes, por favor, leia essa seção do manual.

Testando

Se você compilou o PHP como um programa CGI, você pode testá-lo usando o comando make test. É sempre uma boa idéia testar os software que você compila. Dessa maneira, você pode achar um problema com o PHP na sua plataforma cedo, ao invés de ter de lidar com isso mais tarde.

Usando Variáveis

Algumas variáveis de ambientes fornecidas pelo servidor não são definidas na atual » especificação CGI/1.1. Apenas as seguintes variáveis são definidas lá: AUTH_TYPE, CONTENT_LENGTH, CONTENT_TYPE, GATEWAY_INTERFACE, PATH_INFO, PATH_TRANSLATED, QUERY_STRING, REMOTE_ADDR, REMOTE_HOST, REMOTE_IDENT, REMOTE_USER, REQUEST_METHOD, SCRIPT_NAME, SERVER_NAME, SERVER_PORT, SERVER_PROTOCOL, e SERVER_SOFTWARE. Todo o resto deve ser tratado como 'vendor extensions'.

add a note add a note

User Contributed Notes

There are no user contributed notes for this page.
To Top